Menu

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

SEU JUVENAL: 'Rock Errado' concorre a álbum do ano no PREMIO DYNAMITE

A mistura de estilos da banda SEU JUVENAL tem lhe rendido ótimos frutos. O mais recente deles é a indicação de seu álbum "ROCK ERRADO" ao Prêmio Dynamite de Música Independente, uma das principais premiações da música independente no país. 

A banda mineira terá concorrentes de peso com Far From Alaska, Cidadão Instigado, Nação Zumbi e Pop Javali.

Os fãs do Seu Juvenal tem até o dia 10 de Setembro para votar através do site :

Você pode conferir a nossa resenha de "Rock Errado" clicando no link abaixo, onde também é possível ouvir as principais faixas do disco:
Review: Seu Juvenal: "Rock Errado" 

Para maiores informações:
www.seujuvenal.com.br
www.facebook.com/seujuvenalmg
www.twitter.com/seujuvenalmg
www.soundcloud.com/seujuvenal
www.youtube.com/seujuvenalmg
www.sapolioradio.com.br

Veja também:
Entrevista: SEU JUVENAL

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Judô, Medalhas e Rock'n'Roll com RAFAEL SILVA (BABY)

RAFAEL SILVA, também conhecido como "Baby", honrou o kimono e as cores brasileiras ao conquistar a medalha de bronze no Judô, categoria acima de 100 kg, nas Olímpiadas Rio 2016, repetindo seu próprio feito em Londres 2012. Nessa entrevista ao canal do Topsify Brasil no Youtube ele comenta suas preferências musicais, que vão de AC/DC a IRON MAIDEN, passando por RAUL SEIXAS e NIRVANA, entre outros, e fala como a o rock o ajuda a se concentrar para as lutas. Vale a pena conferir: 
Veja também:
Futebol: O Ouro de Tolo Olímpico

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

SIOD: álbum de estreia e cerveja lançados oficialmente

A banda paulista SIOD lançou no último dia 16 seu disco de estreia "esSIODio". 


O lançamento aconteceu num evento fechado para imprensa. Na ocasião a banda  também promoveu a sua própria cerveja. 

O Siod foi originalmente formado em 2013 pelo vocalista, guitarrista e compositor Umberto Buldrini, embora rascunhos das primeiras composições tenham surgido ainda em 2006. “esSIODio” é então a consolidação de um trabalho que vem sendo desenvolvido há pelo menos 10 anos.

O álbum foi gravado em Avaré/SP no estúdio Ódioground Produções (D.I.E., Devil's Punch, Ratazana) sob produção do próprio Umberto Buldrini e do baixista Fabiano Gil (completa a formação o baterista André Silva). Além da faixa-título, o álbum reúne as faixas "Maldade", "Traumatismo Moral", "Paranóia", "Coragem Amigo", "Buraco da Fé", "Não Tira Não!" e "Cercado de Vermes". Abaixo você confere a faixa título "esSIODio":
A primeira tiragem do álbum será limitada e acompanhará a cerveja da banda como brinde. O grupo pretende desenvolver diferentes estilos para sua cerveja. A primeira brassagem, já esgotada, foi de uma "Specialty IPA – Brown Ale" com 6,66% de graduação alcoólica. A segunda, já disponível, é de um "Belgian IPA" com 5,5% ABV. Receitas e produção, artesanal, são do próprio Umberto Buldrini que, além de músico, é mestre cervejeiro.
O CD e cerveja podem ser adquiridos através do site oficial da banda www.siodbr.com.br ou pelo email siodbr@hotmail.com.

(com informações de SOM DO DARMA

Veja também:
Entrevista: SUNRUNNER

domingo, 21 de agosto de 2016

Futebol: O Ouro de Tolo Olímpico

Futebol nas Olimpíadas é tipo uma "Copa São Paulo de luxo". É legal ganhar e tudo mais, mas não significa absolutamente NADA no mundo do "Futebol Real". Só vale mesmo pelo quadro de medalhas, o que indiretamente valoriza a conquista de outras modalidades.

Vejamos: quantas vezes o Brasil já foi campeão das competições de base sem nenhuma comoção? Em que medida elas diferem da conquista Olímpica? O que aconteceu com México campeão olímpico em 2012? O bicampeonato olímpico em 2004 e 2008 diminuíram de alguma forma a pressão que existe na  Seleção Argentina em relação ao seu jejum de títulos?

O nível técnico das equipes foi sofrível. Iraque, Dinamarca e África do Sul na primeira fase com todas suas limitações quase eliminaram a Seleção Brasileira. A Colômbia parecia um time de quinta categoria em uma dessas pré-Libertadores da vida. Mas nada mais sintomático do que a "poderosa" Honduras em uma semifinal para mostrar que não é possível levar a sério uma competição dessas.

O jogo do ouro ao menos teve verdadeiramente elementos de competição. Havia um FALSO clima de revanche pela humilhante derrota brasileira na Copa Do Mundo. Os mais ingênuos podem até se iludir e se sentirem "vingados", mas o fato é que o 7x1 é um resultado tão histórico e emblemático que não seria apagado nem com 7 medalhas de ouro olímpicas seguidas.

Isso não quer dizer que não tivemos pontos positivos. Se o Brasil não foi brilhante pelo menos foi determinado e não se descontrolou quando sofreu o gol de empate. Isso já é um progresso.

Certamente há a valorização dos meninos. Os "investidores" que já acertaram a transferência de Gabriel Jesus para o futebol inglês devem ter ficado felizes. Gabriel "Gabigol", Zeca, Rodrigo Caio e outros que por ventura estivessem com sua transferência encaminhada, terão seus lados fortalecidos nas suas negociações. 
Goleiro Weverton: herói por acaso
Por fim, há que se destacar o papel de Neymar. Questionado com razão enquanto capitão, ele mostrou personalidade e não se omitiu dentro de campo, assumindo seu protagonismo de estrela maior do futebol nacional. Gostemos ou não de seu egocentrismo, não é possível negar que sem ele a história seria completamente diferente. Calou seus críticos, fossem eles galhofeiros que andaram bradando que "Marta era melhor que Neymar", ou ufanistas ridículos como Galvão Bueno, que só pra variar falou mais do que devia e com uma cara-de-pau maior que um Maracanã lotado teve que engolir tudo de volta e exaltar o "menino Neymar".
Neymar imita Usain Bolt: semelhanças param por aí
Se compararmos o Neymar "cai-cai" vaiado em Londres com o Neymar decisivo e aplaudido no Rio veremos uma enorme evolução.

Reconhecer isso não significa colocá-lo ao lado de Bolt, Phelps ou outros "semideuses" olímpicos. Nem sequer é possível compará-lo aos outros medalhistas olímpicos brasileiros e suas histórias de superação sem metade do apoio de que goza o futebol. Percebam como uma medalha olímpica pode gerar inúmeras distorções.

O futebol é um esporte especial. Ao contrário de outras modalidades, não precisa das Olimpíadas para ter destaque. Por ter competições de alto nível e estupenda popularidade, talvez o ideal é que nem fosse considerado esporte olímpico.

A medalha de ouro neste contexto pode corrigir a injustiça de o país pentacampeão mundial até então nunca ter chegado ao topo em Olimpíadas. Fora isso significa muito pouco.

Acreditar que em virtude disso o futebol brasileiro está "salvo" e que "o campeão voltou" é fazer desse o mais tolo ouro de toda história esportiva.

Veja também:
A abertura das Olímpiadas e o preconceito em ser brasileiro

sábado, 20 de agosto de 2016

SÃO BENTO a dois passos de inédito acesso à Série C


Neste sábado o nosso querido E.C. SÃO BENTO enfrentou o J. MALUCELLI de Curitiba/PR pelas oitavas de final do Campeonato Brasileiro da Série D. O Azulão dominou a partida e venceu com relativa tranquilidade, com gols de Giovanni cobrando pênalti na primeira etapa e de Magrão, que mais uma vez saiu do banco para marcar um golaço de extrema categoria.


Com os 2x0 o São Bento fez bem mais do precisava para se classificar  já que, depois do empate de 1x1 em Curitiba, bastava não levar gols que terminaria classificado.

Agora o Bentão aguarda o complemento da rodada neste domingo para saber quem será seu rival no jogo que pode garantir seu inédito acesso à Série C. Apenas dois jogos para a realização de mais um sonho alviceleste! 

ATUALIZAÇÃO: O Itabaiana/SE será o adversário do São Bento. O primeiro jogo ocorre em Sergipe na próxima SEGUNDA-FEIRA, 29/08, às 20:00 horas. As Rádios Ipanema e Cruzeiro FM (via web) transmitirão o jogo. A segunda partida será dia 04/09, às 18:30 no CIC em Sorocaba com ingressos já à venda - CLIQUE AQUI

Para quem tinha dúvidas até se disputaria a competição, o São Bento vem fazendo bonito demais! Agora é colocar o coração à prova e torcer como nunca! Vamos, Subir Bento! 


Veja também:
História do Futebol em Sorocaba através de Imagens

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

História do Futebol em Sorocaba através de Imagens

Sorocaba completa hoje 362 anos. Como forma de homenagear essa cidade que nós tanto amamos, destaco a seguir algumas imagens coletadas da rica iconografia sobre o futebol na cidade e que fizeram parte da exposição itinerante do Museu do Futebol ocorrida no mês de julho no Shopping Iguatemi Esplanada. Confira:

Origens do Futebol em Sorocaba

Assim como no resto do Brasil, o futebol começou a ser praticado em Sorocaba graças a imigrantes que vieram trabalhar nas fábricas e na ferrovia. A partir de 1900 começam a surgir os primeiros clubes na cidade.

Sport Club Savoia

Sede do Savoia em 1920.

O Savoia surgiu em 1900 onde hoje é Votorantim, formado por funcionários da fábrica de tecidos. Tem seu nome eternizado na história do futebol brasileiro por ter sido o primeiro time a enfrentar o Palmeiras. 
Inauguração do estádio do Savoia em 28 de Setembro de 1924. 
Infelizmente o clube passou por diversas transformações, mudando de nome inclusive, antes de ser definitivamente extinto sem nunca deixar de fato o amadorismo. 
Jogadores do Savoia - 1910
Equipe do Savoia no dia da inauguração do seu estádio em 1924

E. C. São Bento

O centenário E.C. São Bento é, como diz seu belo hino, a "chama sempre viva" do futebol em Sorocaba. E depois de altos e (muitos) baixos, o time encontra-se atualmente na primeira divisão paulista e está de volta ao cenário nacional.
Camisa do E. C. São Bento

Bentão preserva a tradição centenária do futebol em Sorocaba
"Tira Prosa", uma das primeiras torcidas organizadas
tendo como protagonistas mulheres

Atlético Sorocaba

O Atlético Sorocaba era o clube que prometia ser o futuro do futebol em Sorocaba, em contraste com o "velho e endividado" São Bento. Porém, depois de quase duas décadas de sucesso, o time entrou em uma vertiginosa queda. Apesar de seu belo patrimônio, em campo tem amargado péssimos resultados nos últimos anos.

Camisa do Atlético Sorocaba inspirada nas cores da bandeira da cidade

Dérbi

Com São Bento e Atlético Sorocaba em uma verdadeira gangorra, o confronto entre as duas equipes tem sido raros ultimamente, o que deu uma esfriada na rivalidade. Recentemente, o São Bento até andou alugando o CT do Atlético para se preparar para as suas competições. Um belo exemplo das voltas que o mundo da bola dá...

Curiosidades sobre o futebol em Sorocaba  

Sorocaba sempre foi destaque no Futebol Amador
Oberdan Cattani, ídolo do Palmeiras, e Marinho Perez, zagueiro da Seleção Brasileira,
são dois sorocabanos que fizeram história no futebol
Obviamente, o desenvolvimento do futebol em Sorocaba merece ser contado em livros e não caberia em um postagem simples como essa. Mas esperamos ter contribuído para despertar a curiosidade sobre esse tema. Afinal, entendemos que o futebol é uma das principais manifestações de nossa cultura. Conhecê-lo, entendê-lo e preservá-lo é a única forma de melhorá-lo. Que Sorocaba e os sorocabanos aprendam a valorizar seu patrimônio cultural e esportivo, para que a cidade não se torne mais um gigante sem identidade.     
Veja também:
Votorantim: um dos berços do futebol no Brasil
As origens tropeiras do Grêmio de Foot-ball Porto Alegrense

domingo, 14 de agosto de 2016

Entrevista: SUNRUNNER

A banda de heavy metal progressivo SUNRUNNER, originária de Portland, Maine, nos Estados Unidos esteve no Brasil pela primeira vez em uma turnê de divulgação de "Heliodromus", seu terceiro álbum de estúdio.

A banda realizou quatro shows no início de agosto, sendo que o último foi realizado dentro do projeto PALCO LIVRE, na cidade de Votorantim/SP, ocasião em que encontramos com David Joy (baixo e vocal), Joe Martignetti (guitarra e vocal) e Ted Maccines (bateria e vocal) para um bate-papo após sua apresentação.
Na entrevista, a banda falou sobre o álbum Heliodromus, sobre as mudanças em sua formação e as vantagens e desvantagens em ser um "power trio", sobre aspectos da produção e divulgação musical frente aos avanços tecnológicos e, é claro, sobre suas impressões sobre essa primeira visita ao Brasil. Como "bônus track", há um vídeo da banda tocando a música "The Plummet". Confira: 

Aproveito para deixar meus agradecimentos à banda pela atenção e simpatia, a sua assessoria de imprensa pelo convite para a entrevista, ao grande Andi Rocker que é um desses caras que não deixa o Rock'n'Roll morrer e o responsável pelo Palco Livre e ao amigo Anthony Galdino (a.k.a Tony Alex, da banda Eyeliner) que me ajudou com a filmagem.

Confira também mais fotos e a resenha completa do evento em:

Para maiores informações sobre a banda:
www.sunrunnermusic.com
www.facebook.com/sunrunnermusic
www.youtube.com/sunrunnermusic
www.minotaurorecords.com
www.somdodarma.com.br

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

METALLICA: 25 anos do BLACK ALBUM

O 'Black Album' do METALLICA é um dos mais bem-sucedidos álbuns da história do heavy metal. E justamente nesta data de 12 de agosto ele completa 25 anos de seu lançamento. Quinto disco em sua discografia, foi o ápice criativo do METALLICA. Se comercialmente nunca deixou o topo, musicalmente a banda não chegou se quer perto de repetir o mesmo nível com seus lançamentos nessas duas décadas e meia.



Com a popularidade nas alturas, a banda optou por caminhos mais acessíveis, distanciando-se do público mais fiel ao heavy metal, sendo que não é difícil encontrar pessoas que afirmem que a banda "acabou" no 'Black Album'. Headbangers mais radicais rejeitam até ele, afirmando que sua idolatria pela banda encerrou-se no álbum anterior "And Justice For All...".
O que o 'Black Album' tem de tão especial? Primeiramente, a produção primorosa de Bob Rock, produtor de bandas mais mainstream como Motley Crue e Bon Jovi, que extraiu o melhor de cada músico. Lars Ulrich soa grandioso e é quase impossível não se contagiar pelo timbre de sua bateria. Lars Ulrich, inspirado, com grandes riffs e solos. Um James Hetfield com vocais vigorosos e sua então vasta cabeleira que se tornaram icônicas. E é claro o discreto mas eficiente Jason Newsted nas quatro cordas.

Deixando a velocidade do thrash metal um pouco de lado, a banda apostou em andamentos um pouco mais moderados, incluiu duas 'baladas heavy metal' dramáticas e que atraíram um novo público, e colocaram o Metallica definitivamente na MTV e nas rádios rock do mundo modo.

O clipe de "Enter Sandman" era um absurdo para um garoto da época com sua atmosfera que transportava o expectador para um pesadelo. Ficava o dia esperando para vê-lo na parada da MTV e, foi um dos clipes mais marcantes do início da minha adolescência. 

O álbum é repleto de grandes momentos como "Sad But True", "Wherever I May Roam" e "The God That Failed".

Se você é da "geração Z" e acha que Avenged Sevenfold é a banda mais empolgante do mundo, precisa ouvir e estudar esse álbum. Se você tem idade o suficiente para ter se empolgado e se decepcionado com o Metallica, fica o convite para reviver essa época em que o heavy metal de ótima qualidade tinha espaço nas paradas.

Tracklist:

Metallica - Metallica (a.k.a. 'Black Album') - 1991
1.- Enter Sandman
2.- Sad But True
3.- Holier Than Thou 
4.- The Unforgiven
5,. Wherever I May Roam 
6.- Don't Tread On Me 
7.- Through The Never 
8.- Nothing Else Matters 
9.- Of Wolf And Man 
10.- The God That Failed 
11.- My Friend Of Misery 
12.- The Struggle Within

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

PIT PASSARELL: novo projeto com clássicos do VIPER


PIT PASSARELL é um dos principais compositores do Rock/Metal nacional. Por isso, é louvável a iniciativa de seu novo projeto intitulado "A Viper Experience".
O projeto deverá focar os álbuns "Evolution", responsável pelo auge da popularidade do VIPER, e "Coma Rage", dois discos gravados com Pit nos vocais. 
Abaixo você confere mais detalhes no release oficial divulgado por PIT PASSARELL em suas redes sociais:

PIT PASSARELL • A VIPER EXPERIENCE
É impossível falar sobre Pit Passarell sem aliar ao nome Viper. Membro fundador e principal compositor da banda, Pit acumula 32 anos de uma carreira sólida, construída junto ao grupo que, de forma pioneira, conquistou o mercado internacional através de sua discografia e turnês pela Europa, EUA, Japão e América Latina. Com 10 álbuns lançados, o Viper trabalhou com produtores de renome mundial, alcançou sucesso na grande mídia e revelou músicos de peso como André Matos (ex-Angra e Shaman) e Yves Passarell (guitarrista do Capital Inicial – e irmão de Pit).

Após extensa turnê comemorativa de 25 anos de banda, coroada através do DVD/CD 'To Live Again – Brasil Tour 2012', o grupo entrou em hiato e cada membro foi se dedicar a suas carreiras solos/projetos paralelos, extremamente consolidados no mercado. Pit se viu incumbido de respirar outros ares através de uma nova proposta: Pit Passarell - A Viper Experience. O intuito é abordar toda a carreira do Viper de forma abrangente, dando ênfase a fase Evolution e Coma Rage, porém, não esquecendo dos clássicos que fizeram do grupo um dos pilares do metal brasileiro.

Para tal empreitada, Pit reuniu um time de músicos experientes da cena: Leandro Caçoilo (vocais – ex-Eterna, SoulSpell, Seventh Seal, entre outras); Marcelo Campos (bateria – Salário Mínino); Ricky Mourão (guitarra – Ricky Mourão Band) e Diego Bortot (guitarra – Damata Rock), além de participações especiais de membros do Viper, que poderão ocorrer em algumas apresentações da banda. 

O primeiro show do grupo será no próximo dia 20 de Agosto para o Projeto ROCK NA CASA, no Centro Cultural Chico Science, em São Paulo, SP, com ENTRADA GRATUITA.

EVERYBODY, EVERYBODY!

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

PALCO LIVRE: Dark Wine - Dream Wild - Sunrunner - The Family Ghost

Depois de longos meses sem poder prestigiar o Palco Livre, lá fomos nós novamente ao Aquário Cultura, em Votorantim, SP, para registrar uma edição histórica do evento. 
Pela primeira vez uma banda internacional fez parte da programação. A honra coube aos norte-americanos da banda SUNRUNNER, que teve a companhia das bandas DARK WINE, DREAM WILD e FAMILY GHOST.
A primeira banda a se apresentar foi a DARK WINE. Banda jovem, mas que executa um Thrash Metal com bastante personalidade e composições próprias bem interessantes. Fizeram um ótimo aquecimento para o que estava por vir.
Antes da banda seguinte tivemos um momento bem curioso no qual Andi Rocker, o cara responsável pelos 3 anos de sucesso do Palco Livre, chamou os músicos da banda Doomwrath para levar com ele um som, num momento descontraído de improviso que divertiu a galera.
A próxima atração foi a banda votorantinense DREAM WILD. Com 20 anos de estrada é nítida a evolução da banda. Bastante segura, apresentaram músicas já tradicionais em seu repertório e que fazem de seu EP "Metal Warriors", além de introduzir alguns sons novos que entrarão em seu próximo álbum. 
Covers de Accept e Iron Maiden também ajudaram a manter a energia lá no alto.
Na sequência foi a vez da atração internacional SUNRUNNER, que embora seja uma banda ainda pouco conhecida, despertou bastante curiosidade. 
O trio norte-americano possui três álbuns em sua discografia e baseou a maior parte de seu repertório em "Heliodromus", o mais recente deles.
E toda musicalidade demonstrada em estúdio é realçada ao vivo, o que fez a banda ganhar o público com uma grande performance, especialmente porque a sonoridade da banda une elementos clássicos do heavy metal e do rock progressivo, com longas passagens instrumentais, o que é sempre arriscado quando se apresenta a uma audiência nova. Mas o carisma de David Joy (baixo e vocal), Joe Martignetti (guitarra e vocal) e Ted Maccines (bateria e vocal) ajudou a banda a superar esse desafio.
Destaque para as músicas "Keepers of the Rites", "The plummet" e "Star Messenger". No fim, a banda prestou um tributo ao Iron Maiden com uma empolgante versão do classicaço "Prisioner".
Encerrando o evento, a banda "THE FAMILY GHOST" fez um digno tributo ao KING DIAMOND e ao MERCYFUL FATE.
Com um instrumental preciso e um vocalista que realmente se aproxima muito dos timbres únicos do ícone dinamarquês, a banda agradou em cheio os aficionados pelo "mestre das mil vozes". 
Mais uma edição memorável do Palco Livre. Em breve publicaremos uma entrevista exclusiva com a banda SUNRUNNER. Fiquem ligados! 
Para maiores informações sobre as bandas: 
Dark Wine:
Dream Wild: 
Sunrunner: 
The Family Ghost: 

Veja também:
SUNRUNNER: Heliodromus (review)